Página Web



Mesa de Bar: Amores a distância!


Sabe aquele raciocínio de que a pessoa ideal, na maioria das vezes, mora longe? É muito chato quando você ama alguém e esta pessoa está a quilômetros de distância. Mas, até onde este tipo de relação pode te levar? Pensando nisso, o tema dessa semana da coluna é:


AMORES A DISTÂNCIA

Vamos dar uma olhada no que as nossas meninas falaram:







Bem, quando falamos em “Amores a distância” logo me vem na cabeça os “Namoros a distância” e, para começar a falar sobre esse tema, acho importante definir alguns termos. Primeiramente, o que é um namoro? Namoro é quando duas pessoas que compartilham dos mesmos interesses, valores e objetivos, ficam juntos e são felizes com isso. Dentro de um namoro, obviamente, existem outros fatores que fazem essa relação dar certo. Não tem como falar de namoro sem falar da tal da “química”. A química não está diretamente relacionada ao desejo, ao tesão ou ao prazer. A química é mais que isso: é um conversar intenso entre olhares, é um abraço que arrepia, é aquele sorriso que te faz rir, sem motivo aparente.

Outro conceito importante é o de distância. Tirando as fórmulas físicas e matemáticas da reta, as distâncias são espaços, lacunas. Elas te impedem de tocar, de sentir o cheiro, de sentir o calor da pele e a textura do cabelo. As distâncias impedem a química! E, sinceramente, uma relação que não tenha toque, um carinho delicado no rosto, um beijo e, até mesmo uns tapas na cara (salve sadomasoquistas!) não serve - pelo menos para mim. “Nossa Laís, mas você só pensa em contato físico, beijar e sexo”, NÃO! O que eu prezo num relacionamento é o olho no olho, as lembranças de um cheiro bom e as recordações de um momento físico/presente, que foram registrados por uma câmera fotográfica. Porque é disso que são feitas as pessoas! Porque a vida é regada a emoções! E que graça tem ficar no Skype por meses tendo um diálogo super legal, sendo que você não tem nenhuma outra lembrança recente da pessoa a não ser aquela imagem congelada de um monitor com um rosto inserido na tela?! Me desculpem as pessoas que namoram a distância, mas se for pra ter um relacionamento assim, prefiro me casar com aquelas máquinas que liberam refrigerante e barrinhas de chocolate por apenas R$2,00. 






Amar à distância é como ter seu livro da vida com todos os preceitos e ideias racionalmente concebidos atirado pela janela.  Amar à distância é ganhar a oportunidade de aprender tudo outra vez e escrever um novo livro. Há que se ter paciência, há que se ter confiança, há que se saber quem é, no singular, e quem são, no plural. Há que se manter isso em mente.  Aos desavisados negativos e pessimistas, um amor assim é um susto. Aos inocentes, é uma lição. Aos despreparados, é uma mãozinha do destino.  Aos aventureiros, é um motivo a mais pra se sentir vivo e livre.


Quem ama à distância pratica, mesmo sem querer, a política do amor-próprio. Vive a vida com segurança e aprende que cada dia a mais é um a menos pra hora do abraço. Entende que “espera” e “saudade” são ingredientes doces, e não amargos. Quem ama à distância também ama. E, se ama de verdade, faz valer a pena.







Quando me deparo com o tema “Amor a distância”, seja em filmes, livros ou na vida real, sempre volto no tempo e me lembro de alguns relacionamentos a distância que tive. Parece que a cada quilômetro que te separa da pessoa, o amor só aumenta. O problema é que tudo se torna complicado para duas pessoas que estão terrivelmente loucas para ficarem juntas, são inúmeras dificuldades. Eu sempre achei que o pior de um relacionamento a distância é o número de pessoas que estão a sua volta te dizendo o quanto você é louca em acreditar que este relacionamento possa dar certo. Que bobagem! Sempre acreditei que no amor não existem certezas, apenas duas pessoas que estão lutando para fazer algo dar certo.

Acho que viver um namoro à distância é uma experiência que todos deviam ter pelo menos uma vez na vida, nos faz crescer e aprender, mesmo que seja da maneira mais difícil, como lidar com o ciúme, a saudade e ter autoconfiança.  Não precisamos morar longe de alguém para nos sentir distantes e nem perto o suficiente para tê-lo ao nosso lado. A distância separa dois corpos, mas o sentimento é impossível de ser separado. Se está te fazendo bem, continue lutando por aquilo que você acredita, se o seu amor for grande, pode ter certeza de que a distância será pequena.






Primeira coisa sobre amor a distância: se você não confia em si, não entre! O que é imprescindível nesse assunto é a confiança, tanto em si quanto na outra pessoa. Se for pra ficar pensando que o seu amor vai te trair, sério, fuja disso. Não vai ser um namoro legal, pra nenhum dos dois. Se o cara quiser te trair, meu amor, ele vai te trair no seu quarto, na sua casa, na sua rua, na sua cidade... Independente de qualquer coisa, se ele quiser, ele vai! Então a distância não é em si um motivo pra traição. O que é bom num relacionamento a distância é a questão da privacidade, é muito bom ter o seu espaço, o seu momento, e às vezes, namorando com uma pessoa bem próxima, isso fica um pouco difícil, ou o outro não entende, ou não acha necessário esse tempo... Esse é um lado bom do amor a distância, você vai ter seu espaço! Mas e a saudade? Como lidar com ela?

Bom, se você for muito nova, fico triste por você, pois amor a distância envolve viagem, logo, dinheiro. Requer isso dos pais pela dependência, então fica mais bem difícil. Já se você for mais velha, trabalha, tem a sua renda, é mais tranquilo, e é óbvio que não é só você que vai mover tudo e todos para ver o amado, esse esforço e gasto precisa ser dos dois. Vale lembrar que não é por que você namora a distância que você pode controlar a vida do outro. O que faz um relacionamento, a distância ou não, não dar certo, é isso, as pessoas quererem manter as outras como reféns, ninguém é de ninguém. Todo mundo convive com pessoas do sexo oposto, então a sua ausência não vai piorar nada, isso é inevitável você longe ou perto.

Wow, essa semana as meninas tiveram opiniões bem distintas, né?! Pegue aquela com a qual você mais se identifica e leve com você, ou faça melhor: tire um pouquinho de cada uma e monte o seu próprio conselho!

Semana que vem elas voltam.

Até lá ;)




Postar um comentário