Página Web



Mesa de Bar: Insistir na pessoa errada!


Esta semana, a coluna vem com um assunto que vai fazer muita gente se identificar:

Insistir na pessoa errada!

Afinal, quem nunca? né?! HAHAHA ¬¬'

Vamos ver o que as nossas meninas acham sobre essa questão embaraçosa da vida amorosa...







Uma vez alguém me disse a seguinte frase "nada que começa errado, pode dar certo". Eu não sei vocês, mas eu sou expert em insistir em coisas que eu SEI que vão dar errado. Por insistência, burrice, teimosia ou por qualquer outro fator cósmico, eu insisto, e adivinhem?! Sempre quebro a cara! Não é de se estranhar que o ser humano tem essa mania de achar que pode mudar tudo e, principalmente, todos. O que a gente esquece é que as mudanças são necessárias, mas só ocorrem quando o agente a ser mudado, quer modificar-se. Não adianta achar que seu poder de persuasão é super eficaz ou que você - como dono da verdade e ciente das coisas boas, ou não, da vida - pode e deve mudar aquilo ou alguém que esteja "errado". NÃO! Ninguém tem esse poder, mas como super heróis que acreditamos ser, lutamos fielmente a favor disso e sofremos consequências graves. A pior delas talvez seja a decepção e sensação de fracasso pessoal e íntimo que temos. Cremos tão ferozmente em nossa capacidade de mudar o mundo que, quando a estratégia principal falha e não temos um Plano B,  assumimos essa culpa (que não é nossa, por sinal) e nos frustramos. Mas, uma força sobrenatural e desafiadora toma conta de nós e nos faz querer superar; não superar essa culpa e tirar das nossas cabeças essa "falha" de não ter conseguido consertar as coisas, mas o contrário: recarregamos as forças e tendemos a voltar a fazer o mesmo de forma ainda mais firme.

Ao invés de enxergar o que não deu certo e levar outro tipo de aprendizado dessas atitudes, preferimos juntar mais forças e ir com tudo e mais um pouco, rumo à próxima decepção. Eu não sei como é a vida de vocês, mas a minha já está cheia de problemas e se tem uma coisa que eu aprendi com a palavra "insistência" é que ela é compostas por grandes atitudes e, assim como toda e qualquer atitude que se preze, não deve ser desperdiçada com qualquer um e nem em qualquer ocasião.
Beijinhos e até semana que vem :*







Sobre insistir na pessoa errada, antes de mais nada: quem nunca?


A verdade é que, na maioria das vezes, temos intuições ruins. Ou pior: algumas vezes temos boas intuições e nos fingimos de cegos a todas elas. É coisa nossa, né, querer o impossível, gostar de obstáculos, sentir prazer numa aventura amorosa com cara de armadilha. Talvez seja parte do nosso contexto aventureiro-geração wyz-que-gosta-de-se-sentir-heroico-e-vitorioso-em-tudo-na vida, talvez seja uma consequência do esforço que todos nós fazemos pra viver uma vida extremamente emocionante e digna de um roteiro de cinema, ou talvez seja um egocentrismo velado, que nos faz ter certeza de que mesmo aquela pessoa etiquetada na testa como "bad news" pode dobrar aos nossos encantos e ceder à vida que nós gostaríamos de ter com uma versão exaustivamente imaginada- e irreal- dela mesma.


Pra fugir dessa cilada, a gente precisa aprender a sempre aceitar o que realmente quer. E, nesse caso, só trabalhamos com duas opções. Se você escolhe a opção a) sossego, um mundo de possibilidades libertadoras se abre em frente a seus olhos e a pessoa errada se revela, entre trombetas e sinos celestiais, como a pior ideia do mundo. Mas se você escolhe a opção b) confusão, o dilema de insistir na pessoa errada deixa de ser um dilema e passa a ser seu objetivo de vida. (a escolha da opção b pode, eventualmente, acarretar na impaciência crônica dos amiguinhos que não compreendem POR QUE, DEUS, você insiste em não desistir de ser constantemente incomodada pela existência de alguém.)


O exercício de resistir a esse impulso incontrolável de parar nossa vida em função de alguém que não nos faz bem deve levar em conta uma prática infalível: a observação do contexto, da pessoa, da situação. Com um pouco de astúcia e malícia, a gente se prepara, sim, pra reconhecer e evitar problemas em potencial.  







Quando conhecemos uma pessoa, rapidamente começamos a projetar como ela é, com o passar do tempo vamos conhecendo melhor essa pessoa mas nem sempre o resultado é o mesmo do que imaginamos, e aí, bate aquela dúvida. Você sabe que a pessoa é errada e precisa tomar uma decisão, insistir no erro ou “cortar” ela imediatamente. Vivo escutando que o coração nem sempre tem razão, mas quem garante que o nosso cérebro está sempre certo? Quando colocamos uma coisa na cabeça, ou no coração, não tem certo e muito menos errado. Não é errado acreditar que pode dar certo e lutar pela pessoa, a não ser que aquilo esteja te fazendo mal ou atrapalhando sua vida, mas caso contrário, não tem problema você viver momentos bons com a “pessoa errada”.

Muita gente deve achar que sou doida por pensar assim, mas posso afirmar que em vários relacionamentos eu vi o errado se tornar certo e em outros vi o errado fazer tão bem pra pessoa que parecia mágica. Todo esse assunto está me fazendo lembrar de um amigo que começou um relacionamento sabendo que a pessoa não correspondia as suas expectativas, mas, mesmo assim, foi deixando rolar e aproveitando da companhia dela e dos momentos agradáveis que essa pessoa proporcionava pra ele, até que chegou um momento em que ele precisou deixar a pessoa ir embora pra encontrar a certa, e o motivo de falar sobre isso, é que percebi que o relacionamento com a pessoa errada deixou ele mais forte, mais confiante e maduro. Às vezes nós precisamos cometer erros pra no futuro tirar proveito e ensinamentos dele, apenas viva o que te faz bem e te deixa feliz, o resto não vale a pena insistir.






Para começar a falar do tema de hoje, eu quero deixar explícito o meu pensamento sobre o "rótulo" de pessoas certas ou erradas... O que é uma pessoa certa pra você? E o que é a errada? Esse assunto é bem complicado de ser tratado, mas vou partir de um princípio que eu presumo que seja o mesmo da maioria da sociedade: a pessoa correta seria aquela que te dá valor, que não mente, omite, ilude e/ou trai, que te faz e trata bem, enfim, uma criatura quaaase perfeita... Mas vale cautelar que seres perfeitos não existem, é bem provável que a pessoa certa talvez nunca apareça. Todos nós sempre teremos muuuuuitos defeitos, e por mais que as qualidades também sejam abundantes, muitas vezes não importa quantas coisas boas você já fez. Se você fez uma de ruim, ela prevalecerá. A maior parte da sociedade pensa e age dessa forma, em minha opinião. Outra parte, já defende a ideia de que não importam os defeitos e quantos são, mas sim as qualidades, que superam os mesmos. Como o tema dessa semana é bem relativo, vou posicionar-me de uma forma geral.
   
Insistir na pessoa errada é uma tolice e envolve perda de tempo, o que é ainda pior. Enquanto se insiste nessa pessoa, existe outra querendo apenas uma chance para provar que pode ser a pessoa certa. Se não deu certo uma vez, não há motivos para haver insistência. Tentar duas, três vezes, tudo bem, mas estamos falando de insistência, que nesse caso é muito inconveniente. As pessoas podem até mudar, mas não drasticamente, se você já percebeu que não é a pessoa certa, por que insistir? Podem acontecer algumas pequenas mudanças, mas quem não é para você, não é, e pronto. Não há nada que você possa fazer. Quem decide continuar insistindo, tende a se acostumar com muitas situações e aguentar as consequências da escolha. Quem se acostuma, faz errado, pois o costume é uma mudança, e a mesma está partindo de você. E se a pessoa errada é a outra, é ela que tem de mudar, e não você. Com o costume, a nossa tolerância a certas coisas aumenta, só que não reconhecemos isso e achamos que é a outra pessoa que está mudando, mas na verdade não é. Quanto ao subterfúgio de usar as pessoas erradas enquanto a certa não aparece é uma estupidez, esse é o pior tópico desse tema, discordo completamente das pessoas que agem assim. Pois como já foi dito, é perda de tempo.
   
Resumindo, não deu certo nas primeira, segunda e terceira vezes? Não insiste, siga o conselho dessa frase: "Dê a quem você ama: asas para voar, raízes para voltar e motivos para ficar", Dalai Lama. Se o indivíduo achar que pode mudar e se tornar sim a pessoa certa, você teve sorte. Caso contrário, quem não teve sorte foi ele.

Sou suspeito para falar, mas pra mim, esse foi de longe, o MELHOR TEMA da coluna até hoje. Amei os textos das meninas ♥

Semana que vem elas voltam. Até lá ;)




Postar um comentário