Página Web



Você é minha rima!


Um filme francês, uma música do Caetano ou um dos versos de Adélia Prado. Essas são só algumas das muitas coisas que me fazem lembrar de você no meu dia a dia. É impressionante como a gente se completa. E é extremamente reconfortante saber que, se marcamos às 20h, às 19h meu coração já começa a pulsar mais forte, pois sabe que vou te encontrar.

Ainda vou voltar naquele café só para agradecer aquele garçom por ter trocado nossos pedidos e ter feito, assim, nós nos conhecermos. Eu admito que nesse dia me confundi se o calor que eu estava sentindo era pela temperatura do meu cappuccino ou pela intensidade da nossa troca de olhares. Mas isso nem importa mais, porque esse calorzinho eu sinto todos os dias quando saio do trabalho, entro no meu carro e sei que estou indo te encontrar.

Sua simplicidade me encanta, não tem nada mais apaixonante para mim do que chegar em casa e ver você naquele seu moletom super confortável,  analisando sites da internet para escolher onde vamos pedir nosso jantar - porque você bem sabe que cozinhar nunca foi o forte de nenhum de nós dois. Mas a gente tá tentando aprender, aos pouquinhos, do jeito que tem que ser.

Quando deitamos para dormir e nos abraçamos, eu sinto como se mais nada em minha volta existisse, parece que somos só eu e você naquele mundo perfeito que nós criamos para a gente. Adormecer ao seu lado é como dormir nas nuvens. Te abraçar forte, quando você dá sinais de que está sonhando, é uma das formas que eu encontro de dizer que estou aqui para te proteger.

Pode até parecer estranho, mas eu adoro te dizer “tchau” quando vamos trabalhar de manhã. Porque é quando nos despedimos e olho nos seus olhos que eu tenho a certeza que queremos muito nos reencontrar logo. É aquele “tchau” disfarçado de “volte logo”.

É bom poder confiar em você, viver uma relação leve, sem cobranças, loucuras ou ciúmes doentios, como as que vivemos antes de nos conhecermos. Demos a sorte de nos encontrar quando nossos mares estavam calmos, e demos ainda mais sorte por eles continuarem calmos quando nos juntamos.

Eu sempre quis um amor de maré baixa, desses que é calmo, sereno, mas que sempre tem algum movimento para nunca perder a graça. Pode soar bobo ou até romântico demais, mas a verdade é que, depois que você chegou, os versinhos da minha vida começaram a rimar e viraram uma linda poesia de amor.




Postar um comentário